Capital de giro: por que ele é essencial para o seu negócio

Você sabia que o Brasil mais fecha do que abre empresas? Isso mesmo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015,  713,6 mil empresas fecharam as portas enquanto 708,6 mil novos negócios surgiram no mercado. A maioria das causas envolvem organização e controle financeiro, entre elas a falta de um capital de giro adequado.

Essa estratégia de gestão tem um papel fundamental no controle de fluxo de caixa e no funcionamento saudável da empresa. Uma administração qualificada valoriza o capital de giro porque sabe que sem ele, não dá para tocar o barco.

Mas, e você? Já é empresário ou está pensando em iniciar o próprio negócio? Este artigo vai trazer informações muito importando sobre o capital de giro. Você não pode deixar de ler. Acompanhe!

O que é o capital de giro?

Capital de giro é o quantitativo total que uma empresa tem disponível em caixa. Esse recurso tem a finalidade de garantir com que todas as despesas financeiras do negócio estejam em dia. E assim, mantém a estabilidade do fluxo financeiro, com foco em rentabilidade. Ele também pode se tratar dos bens que a empresa possui e que podem ser convertidos em dinheiro durante um curto prazo.

Diferentemente do que chamamos de capital fixo, o capital de giro compreende os gastos com matéria-prima, estoque, pagamento de funcionários e fornecedores. Além dos gastos fixos e os impostos.

Isso quer dizer que esse ‘caixa’ está diretamente relacionado à saúde financeira da empresa e, por isso, é de muito importante saber como calculá-lo e administrá-lo para manter seu fluxo alto.

Qual a importância dele para a empresas?

Como já citado anteriormente, valorizar o capital de giro é valorizar a saúde financeira do seu negócio. Você faz uma gestão de recursos adequada, mas assegurar que a rotina da sua empresa, e consequentemente da equipe financeira, não será surpreendida com intempéries.

A maior importância dessa estratégia de gestão é que ela representa as condições da empresa para conduzir suas obrigações e contas. Empresas que operam com um capital de giro baixo acabam tendo maiores riscos financeiros. Pois, em situações inesperadas de mercado, como recessão, despesas imprevistas ou necessidade financeira, por exemplo, elas acabam ficando sem uma saída.

Entre as principais vantagens de manter a estabilidade do capital de giro pontuamos:

  • segurança financeira;
  • estabilidade fiscal;
  • previsibilidade e gestão de riscos;
  • caixa para investimentos.

Como calcular o capital de giro ideal para o meu negócio?

A fórmula para cálculo do capital de giro é bem simples e pode ser adotada em qualquer tipo de empresa: CGL = AP – CP.

Sendo que:

CGL: refere-se ao capital de giro líquido e a todos os recursos, seja em maior ou menor peso, que precisam ser geridos qualificadamente para que o empresário não seja surpreendido com resultados negativos.

AC: é o ativo circulante. Ele se refere às aplicações financeiras, como dinheiro em caixa, bancos, contas a receber, oor exemplo.

PC: refere-se ao passivo circulante. Ou seja, aquilo que você precisa pagar, por exemplo: empréstimos, fornecedores, contas de consumo de recursos, entre outros.

O que difere o ativo circulante e o passivo circulante é o capital de giro da sua empresa.  É a partir disso que caberá ao gestor definir de forma assertiva as ações com a finalidade de garantir o equilíbrio financeiro da empresa.

Ao ter o controle sobre as suas finanças e o valor disponível no capital de giro, você conseguirá muito mais domínio sobre o seu negócio. Com isso, você vai conseguir:

  • identificar os melhores períodos e prazos para comprar sua matéria prima;
  • garantir a estabilidade das contas com o faturamento da empresa;
  • proporcionar outras necessidades que demandem gastos, como atividades produtivas e operacionais;
  • aumentar o faturamento a longo prazo.

Como administrar corretamente o meu capital de giro?

A má administração do capital de giro resulta em déficit de recursos para garantir o acerto de todos os compromissos financeiros da empresa, situação que leva empresários a recorrerem a instituições financeiras para solicitar empréstimos. Essa medida a curto prazo traz um certo alívio para o caixa. Mas dependendo da negociação com o agente financiador, é mais uma ‘bomba’ que pode prejudicar a margem de lucro da empresa no futuro.

Veja algumas boas práticas que podem minimizar os impactos financeiros na sua empresa e garantir um fluxo alto de capital:

Menos prazos para recebimentos

Considere que, quanto menor for o seu prazo de recebimento das vendas, maior será a capacidade de pagamento das contas da empresa. É o dinheiro entrando mais rápido e gerando mais resultados.

Mas, cuidado para não prejudicar a sua posição diante da concorrência. Busque apostar em alternativas como campanhas de pagamento à vista, descontos para pagamento em boleto ou débito, entre outros.

Corte gastos sempre que possível

Planeje e controle suas despesas que demandam cortes e reajustes constantes. Procure gerenciar de perto as finanças da empresa e elimine aquilo que for desnecessário. Assim você reduz o passivo circulante e consequentemente aumenta o capital de giro.

Controle o histórico de inadimplentes

Para minimizar o impacto da inadimplência, você pode aderir a dois tipos de ações: a preventiva e a corretiva.

Na preventiva o objetivo é evitar o problema, para isso você pode optar, por exemplo, pela análise de perfil do cliente no momento do checkout. Há também ferramentas antifraude, que podem ajudar nesse processo.

No controle corretivo a empresa faz as negociações. Aqui é importante ter uma política bem definida para contatar, negociar e reaver os valores atrasados ou não pagos pelos clientes. A celeridade nesse ponto é fundamental para garantir o recebimento e manter o fluxo alto do capital de giro.

Negocie com fornecedores

Alinhar os melhores prazos com fornecedores é uma estratégia incrível para quem quer manter um capital de giro bem administrado. Sempre tente aumentar o período para pagamento, o que você paga hoje em 30 dias, lute para ampliar em 45 dias, e assim por diante. Assim você terá mais tempo para ter seus recebíveis por vendas sem correr riscos.

Lembre-se também do giro de estoque

Planeje com bastante dedicação a sua compra de produtos ou matéria-prima. Não deixe que seu estoque acabe encalhado de coisas velhas. Uma dica aqui é analisar a demanda da clientela e projetar uma meta de compra e venda.

Mas e agora, preparado para garantir seu capital de giro ideal? Sua empresa agradece, viu!?

Se quiser complementar este conteúdo ou esclarecer alguma dúvida, basta deixar seu comentário aqui embaixo. Confira outros conteúdos produzidos pela FortBrasil.